Área Restrita

Saiba como funciona a escola pública sem provas, turmas e disciplinas

17/04/2015
Notícias
Institucional

Para conhecer a Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Amorim Lima, na zona oeste de São Paulo, é preciso deixar de lado a visão tradicional de escola. Aqui não há provas, os alunos aprendem matemática debaixo de uma árvore e as salas não têm carteiras organizadas em fileiras. Nessa escola, cada um aprende no seu ritmo, compartilha as experiências com o grupo e pede ajuda para o professor-tutor.

 

E quem explica tudo isso é a Maria Vitória de Oliveira, 8, e a Thabbata Neves, 9, que nos recebem no pátio para apresentar a escola. "Aqui eles fazem um projeto diferente de todas as outras escolas, então eu gosto daqui por isso. Eu aprendo bastante coisa", diz Maria Vitória.

 

A escola funciona há dez anos como um projeto experimental na rede municipal de São Paulo e foi inspirada na Escola da Ponte, do educador português José Pacheco. Entre os principais objetivos desse modelo pedagógico estão o desenvolvimento da autonomia intelectual dos alunos e a troca de saberes.

 

De portas abertas

Há um clima de liberdade e informalidade, com uma aparente desordem, em toda a escola. Crianças circulam a todo momento pelo prédio e a sala da direção está sempre aberta para o aluno que precisar pedir qualquer tipo de ajuda (do estojo perdido à cartolina para a atividade em sala).

 

"A escola que eu estudava antes era outra coisa, lá era todo mundo em fileira, aqui é em grupo, todo mundo pergunta, todo mundo responde", diz Thabbata. "Não tem prova, a única prova é o roteiro, aqui a gente é praticamente livre, não fica muito tempo dentro da sala, só na aula de pesquisa."

 

A chamada aula de pesquisa é o momento em que os alunos estudam os conteúdos e fazem exercícios. Eles também têm aulas de brincadeira, de capoeira, teatro, dança, grego e latim. Há oficinas de inglês, texto e matemática. Pode até não ter prova, mas os alunos são avaliados nas atividades em grupo, no processo de execução do roteiro e nas atividades finais.

 

Um roteiro, vários caminhos

No início do ano, cada aluno recebe um kit com os livros didáticos da sua série e os roteiros que precisa seguir. Esses roteiros são preparados e encadernados pela própria escola, são eles que vão direcionar o estudo e a execução de exercícios. Organizados por temas - em vez de disciplinas -- eles são interdisciplinares e costumam exigir que o aluno pesquise em livros de diversas matérias.

 

Por exemplo, se o tema é Segunda Guerra Mundial, os alunos terão conteúdos não só de história, mas também de geografia, física e matemática.

 

Todos eles precisam ser cumpridos, mas a velocidade e o caminho que cada aluno fará pelo material estudado pode ser bem diferente. O ritmo e o processo de cada um é respeitado.

 

Ao final de cada roteiro, os alunos precisam completar um quadro de resumo e fazer exercícios sobre conteúdo estudado, formando um arquivo de trabalhos que é chamado de portfólio. Quem erra ou esquece algo precisa voltar e rever o conteúdo.

 

Os "salões"

As salas de aula são diferentes dependendo da etapa de ensino. As turmas mais "tradicionais" são o 1º e o 2º ano do ensino fundamental. Nessa fase, os professores apresentam os primeiros roteiros para os alunos. É um período de introdução do modelo pedagógico e de adaptação para as próximas séries.

 

Quando a criança completa o ciclo de alfabetização, ela entra em uma nova classe, que reúne alunos do 3º, 4º e 5º anos do ensino fundamental. É o "salão" do ciclo 1. Há outra com estudantes do 6º ao 9º, ou ciclo 2 do ensino fundamental.

 

Cada uma dessas salas é grande e os alunos são dispostos em grupos de até quatro pessoas (muitas vezes de idades e séries diferentes). Cada um tem seu próprio roteiro de estudos, mas o objetivo é que eles consigam se ajudar e resolver problemas e tirar dúvidas entre si. Um professor fica à disposição dos alunos para tirar dúvidas.

Na teoria, parece fácil, mas há quem não se adapte ao projeto. "Tem pais que não querem de jeito nenhum que a criança venha pra cá, porque não gostaram, não compreendem", diz a diretora Ana Elisa Siqueira.

 

Fonte: UOL Educação

 

Downloads

FAP1
Baixar
UNI1
Baixar
UNI02
Baixar

Veja Também

02/07/2018
Institucional

Confira o passo a passo para fazer sua rematrícula e renegociar dívidas

Entre os dias 2 e 31 de julho, os alunos que estudam em instituições do Athenas Grupo Educacional, sendo elas: Fameta, FAP, FSP, Unijipa e Fapan, devem fazer suas rematrículas, para garantir a vaga para o próximo semestre, sem pagar multas. Além disso, as instituições estão disponibilizando facilidades para acadêmicos que precisem renegociar dívidas.   Vale ressaltar, que os alunos que estejam estudando e queiram fazer suas renegociações, terão até o dia 13/07/2018 (sexta feira) para fazer suas renegociações sem pagar a taxa de 10% sobre o valor do débito total,...

02/08/2012
Institucional

administracao-e-a-graduacao-com-mais-cursos-no-brasil-

Pedagogia, engenharias, Letras e Ciências Contábeis completam o topo da lista Administração é a área que mais possui cursos no Brasil: passou de 333 para 1.413 entre 1991 e 2012 (crescimento de 324,3%), segundo dados divulgados nesta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Pesquisas Educacionais (Inep), ligado ao Ministério da Educação. Com isso, ultrapassou pedagogia, que liderava a lista -aparece agora na segunda posição (passou de 406 para 996, crescimento de 145,3%). Na terceira posição aparece engenharia (809 cursos), seguida de letras (692) e ciências contábeis (641). A área que teve a mais alta taxa de crescimento foi turismo (1.314%), que passou...

23/01/2012
Institucional

fap-oferece-novas-turmas-de-pos-graduacao

Assessoria de Pós-Graduação da Faculdade de Pimenta Bueno (FAP), divulgou nesta segunda-feira (23) as três novas pós-graduações que a instituição estará oferecendo já para o primeiro semestre de 2012.       DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Duração de 16 mesesValor – R$ 180,00 Ex aluno FAP Valor - R$ 168,75 já com desconto de pontualidadeInício Previsto – 25 e 26 de Fevereiro de 2012.Objetivo do Curso: Construir competência técnico-científica para docência no ensino superior alicerçada numa visão mais ampla, abrangente, reflexiva e integrada da sociedade; Capacitar o profissional para assumir uma docência de caráter interpretativo, sendo uma ponte entre conhecimento...

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem