Área Restrita

Tecnologia é mais que um verniz na educação

25/05/2015
Notícias
Institucional

O uso de dispositivos eletrônicos na educação precisa ir além do mero “verniz tecnológico” aplicado sobre velhas práticas em sala de aula. Essa foi uma das ideias levantadas no debate “Como a tecnologia pode contribuir para renovar a educação?”, realizado nesta quinta-feira (21), durante a Bett Brasil Educar, evento sobre educação que vai até o próximo sábado, em São Paulo.

 

Segundo Klaus Schlünzen Junior, professor livre-docente em informática e educação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), é necessário adaptar as práticas ao cenário de mudanças. “Nós temos de certa forma um verniz tecnológico sobre velhas práticas”. O representante da Unesp acredita que umas das soluções a serem adotadas é a criação de uma cultura de inovação dentro da sala de aula, que atualmente é formada por jovens altamente digitais mas que ainda usam mal a tecnologia. “O que precisa ser entendido por professores é que existe uma necessidade enorme de passar por uma lógica de distribuição para uma outra comunicação e interação, que muda o foco do trabalho”, explica.

 

Rafael Parente, PhD em educação pela Universidade de Nova York e ex-subsecretário de educação municipal do Rio de Janeiro avalia que o modelo escolar não funciona mais como um todo e que as tecnologias só evidenciam as deficiências. E enumera alguns motivos: “As redes de ensino não funcionam porque não há aprendizagem. Por quê? As crianças e adultos estão desmotivados porque o que acontece dentro da escola busca formar pessoas passivas”.

 

Isso ocorre, segundo ele, em razão da filosofia do “fica quieto, senta, copia” presente em muitas escolas. Parente aposta em que um ambiente escolar mais interessante precisa levar em conta a personalização para atender os mais diferentes gostos. “Não adianta insistir em um modelo em que se acha que todas as pessoas vão aprender as mesmas coisas nos mesmos tempos e das mesmas formas”.

 

Wolgram Marialva, pesquisador da escola do Futuro/USP, vê como caminho para impulsionar a mudança de modelo educativo o acesso facilitado às comunidades de prática. “Elas já trazem o olhar da gestão ao ajudar o professor a superar suas dificuldades com soluções já experimentadas”. O pesquisador usa um argumento reiterado em outros encontros do evento: nesses ambientes (como os do Google e da Microsoft), a construção do conhecimento feito de professor para professor. “Tudo é feito por adesão: quem está ali é porque está afim de contribuir”, conclui.

 

Seguindo o mesmo raciocínio, Mila Gonçalves, gerente de informação da Fundação Telefônica, ressalta que a nova escola precisa garantir que alunos adquiram as chamadas competências do século 21: empreendorismo, colaboração, comunicação, análise crítica, dentre outras. A gestora demonstrou ferramentas e comunidades gratuitas para professores, alunos e governos: a plataforma Escolas Rurais conectadas, para formação de educadores do campo, a Escola Digital, um site de objetos digitais, o jogo Plinks, com conteúdos de português e matemática e, por último, o Programaê, que ensina a programar. “Ou a gente expõe nossas crianças à linguagem de programação, ou vamos continuar sendo sempre um país consumidor de tecnologia”.

 

Fonte: Porvir

 

 

Downloads

comp_fsp8
Baixar

Veja Também

19/01/2015
Institucional

Sisu abre inscrições para cronograma 2015

Foi iniciado oficialmente pelo Ministério da Educação (19) o processo de abertura das inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Estarão aptos para preencher as vagas do programa os estudantes que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do ano passado. Ao total, 205.514 vagas em universidades públicas estarão disponíveis para os interessados, 20% a mais se comparado com a edição de 2014 (171.401).

17/08/2011
Institucional

comecam-as-aulas-do-curso-de-psicologia

Na última segunda-feira (15) iniciou o período letivo para os acadêmicos da primeira turma de Psicologia da Faculdade de Pimenta Bueno – FAP.   A recepção aos calouros foi realizada na própria instituição, onde houve uma explanação inicial que apresentou o curso aos matriculados.   Segundo Vânia Damasceno, coordenadora do novo curso, a turma que iniciou na segunda-feira tem a importante missão de ser formada por pioneiros. “Nossos alunos farão parte da história da FAP e do novo curso. Ser os primeiros alunos é importante porque estaremos desbravando esse caminhos junto deles. É muito especial pra todos estarmos nessa empreitada”, revelou a coordenadora.   Eliene...

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem